Voltar
07/11/2017| Inquérito Serológico Nacional: população portuguesa com elevada imunidade

Neste inquérito foram incluídas, pela primeira vez, as doenças sexualmente transmitidas e as Regiões Autónomas dos Açores e Madeira.
De acordo com os resultados obtidos através da participação de quase 5.000 portugueses, mais de 92% dos indivíduos possuem anticorpos para os agentes causadores do tétano, poliomielite, rubéola e sarampo. Em relação à toxina tetânica (tétano), por exemplo, foram detetados anticorpos em todos os indivíduos estudados, embora 1,6 % apresentassem valores de concentração abaixo do preconizado como garantia de imunidade.
Outro dos principais resultados do ISN 2015-2016 indica que não existem diferenças consideráveis no que diz respeito aos valores de seroprevalência apurados para as sete regiões NUTS II. Contudo, para alguns grupos etários, a proporção de indivíduos com anticorpos para tétano, vírus da poliomielite tipo 1, rubéola e sarampo, foi menor do que a observada no inquérito serológico de 2001-2002, facto que merece reflexão e justifica a realização de estudos adicionais que clarifiquem as causas do observado.
O ISN incluiu, pela primeira vez, o estudo da prevalência de infeções sexualmente transmissíveis (IST) com impacto em saúde pública, nomeadamente infeção por chlamydia trachomatis, sífilis, infeção por VIH e hepatite C. Para C. trachomatis, foi apurada uma prevalência de 2,7 %, valor em consonância com as estimativas europeias de prevalência para a faixa etária avaliada neste estudo (18 a 35 anos), enquanto a seroprevalência para T. pallidum foi de 2,4 %, observando-se valores mais elevados nas idades mais avançadas, que poderão ser explicados pela elevada incidência da sífilis em Portugal nas décadas de 60 e 70 do século passado.
O ISN 2015-2016 contou com um financiamento de cerca de 700 mil euros, 15 % dos quais foram assegurados pelo Estado Português.
Noticia original em http://www.newsfarma.pt/noticias/5912-inqu%C3%A9rito-serol%C3%B3gico-nacional-popula%C3%A7%C3%A3o-portuguesa-com-elevada-imunidade.html

 

Fonte Texto e Imagem: News Farma

Voltar