Dores de Garganta – conheça as causas e tratamento!

A dor de garganta manifesta-se isoladamente ou em associação com outros sintomas. As manifestações variam entre sintomas mais leves, como o incómodo persistente em toda a zona da faringe à laringe, e sintomas mais graves, como a dificuldade em engolir alimentos sólidos, líquidos ou até saliva. Neste último caso, os sintomas concomitantes devem servir de alerta na previsão de um cenário mais grave.

Causas possíveis e sintomas

Num grande número de casos, a sua origem está em infecções virais ou bacterianas, sendo manifestações típicas de gripes e constipações. Outras causas e/ou factores agravantes possíveis são o tabagismo, a reduzida ingestão de água e o esforço constante da voz. Evidencia-se também o mal-estar consequente ao refluxo gastroesofágico, que provoca a subida do ácido do estômago até ao esófago e que, ao atingir a garganta, provoca dor. Por fim, a ingestão de bebidas demasiado frias ou demasiado quentes, revela-se um hábito do dia-a-dia capaz de tornar as mucosas da garganta mais vulneráveis à entrada de vírus e bactérias.  

Voltar ao início

Infecção viral

Este tipo de infecção é uma das causas mais frequente da dor de garganta, que costuma estar na origem de gripes e constipações – mais assíduas nas estações frias - provocando a inflamação da mucosa da faringe. Nestes casos, a dor de garganta tende a manifestar-se, nas s formas mais moderadas num período médio de cinco dias, assumindo que os sintomas que a acompanham sejam alvo de uma correcta atenção e diagnóstico. Uma infecção viral causa sensação de secura, ardor e irritação da garganta, bem como rouquidão. Neste caso, observa-se ainda comprometimento das vias aéreas superiores, com espirros, nariz entupido, tosse e conjuntivite.

Voltar ao início

Infecção bacteriana

A infecção bacteriana surge por contaminação directa (aspiração de partículas contaminadas) ou por contacto directo com alimentos ou partes do corpo contaminados (muito frequentemente as mãos do próprio). Muitas vezes podem surgir na sequência de uma infecção viral tratada indevidamente, e na sua origem costumam estar as bactérias do grupo estreptococos e haemophilus. Nesta situação, a gravidade e intensidade dos sintomas torna-se mais acentuada. Este tipo de infecção manifesta-se através da intensificação da dor de garganta – zona essa que adquire um tom mais avermelhado, aumento de volume das amígdalas, e é em geral acompanhada de febre e calafrios, pontos brancos na garganta (placas de pus), dores de cabeça, mal-estar generalizado, dor ao engolir, dor abdominal e perda de apetite. Podem também surgir pontos hemorrágicos no palato e, na sua presença, recomenda-se a consulta de um médico para confirmação do diagnóstico e prescrição do tratamento adequado, que neste caso pressupõe a utilização de antibióticos, que são medicamentos sujeitos a receita médica.

Voltar ao início

Tratamento e prevenção

Torna-se fundamental um diagnóstico correcto para que o tratamento seja eficaz, de modo a avaliar se na origem da dor de garganta está uma infecção viral ou bacteriana. Este diagnóstico nem sempre é claro, pelo que o aconselhamento médico deve ser procurado aquando de um agravamento dos sintomas. Alguns dos conselhos a seguir para o tratamento deste tipo de infecção, implicam o esforço mínimo da voz e a toma de rebuçados e pastilhas de acção local que suavizem os sintomas para alívio da garganta, protegendo-a do agravamento desses mesmos sintomas. Para a hidratação da mucosa da faringe, recomenda-se a ingestão de líquidos sempre a temperatura tépida, evitando-se bebidas muito quentes ou muito frias. Deve-se evitar também o tabaco, o álcool, bem como a presença continuada em ambientes poluídos ou ventilados por ar condicionado, e ainda locais onde esteja concentrado um grande número de pessoas com circulação de ar insuficiente. Caso a dor de garganta seja muito intensa provocando incómodo prolongado, a toma de anti-inflamatórios e analgésicos é recomendável.

Voltar ao início